Vá treinando!
Vem aí a 21.ª edição do Expresso BPI Golf Cup

Esta é aquela altura do ano em que os ‘driving ranges’ um pouco por todo o país registam um incremento de actividade. Vem aí a 21.ª edição do Expresso BPI Golf Cup e todo treino é pouco para o maior evento desportivo ‘corporate’ que se realiza em Portugal, que teve o ano passado a participação de 369 equipas de empresas e mais de 1500 jogadores em todo o país.

A época de 2018 começa no fim-de-semana de 2 e 3 de Junho nos Açores e prolonga-se até Dezembro, com a Finalíssima no Vidago Palace. Até lá, como se costuma dizer, muita água correrá.

“É uma prova emblemática, que conseguiu granjear prestígio dentro do golfe nacional amador”, justifica Rui Raposo, administrador-executivo da José de Mello Saúde, que tem competido pela equipa do Grupo José de Mello na região de Lisboa, a mais concorrida das oito regiões que a prova visita. “Tenho muitos amigos dentro deste círculo, é um prazer revê-los e jogar com eles. Golfisticamente, não deixa de ser um desafio, na tentativa de ir o mais longe possível.”

Divertimento e ‘team building’ vão par a par, como reforça Tomás Jervell, CEO da Nors, que evolui na região Norte, igualmente com um quarteto integral de colaboradores da empresa: “É uma oportunidade extraordinária para juntar colaboradores do grupo fora do seu ambiente normal de trabalho, fomentando o convívio e o espírito de equipa num contexto competitivo muito divertido.”

As equipas compostas na íntegra por colaboradores da empresa são as mais genuínas, mas também mais raras. Normalmente, os conjuntos participantes constituem-se de colaboradores e convidados, mas também há casos de empresas que se limitam a patrocinar, pelo retorno mediático, um quarteto de jogadores.

 

"Este é 'o' torneio"

O facto de se disputar por equipas de quatro, numa modalidade divertida e que perdoa bastante como o texas scramble modificado, é uma das originalidades e um dos atractivos. “Há um verdadeiro espírito colectivo e pode-se fazer um bom ‘score’ até com maus shots”, lembra Artur Ferreira, uma referência na região Centro, campeão nacional pela Lanidor em 2007 e finalista em 2016 pela Europcar, e que é ‘Head of Trade’ no Group M, a maior gestora de investimento em media a nível mundial.

Victor Cruz, líder executivo do Grupo Bensaude, dos Açores, diz que “a organização é sempre impecável e o ambiente extraordinário, mas julgo que o segredo do sucesso é a modalidade de jogo”. Para ele, este é “o” torneio, “pela marca empresarial, pela vertente desportiva e pelo envolvimento humano”.

Os Açores são o Destino Oficial do Expresso Golf Cup e desde 2005 palco da sua Final Nacional, que este ano se joga no Batalha Golf Course, em S. Miguel.

Na Madeira, a adesão é tal, que existe inclusivamente um circuito local que lhe serve de preparação. “É o expoente máximo de expectativa e empenho”, confirma Miguel de Sousa, CEO na Empresa de Cervejas da Madeira, que costuma jogar pela ‘sua’ Coral.

António Pinto Coelho, anfitrião da prova no Algarve, pelo Onyria Palmares Beach & Golf Resort, sublinha que “nunca tinha visto tanto entusiasmo numa competição de golfe” e que os jogadores “vivem intensamente todos os momentos da prova”.

Lourenço Fernandes Thomaz, que, com a sua Partners, costuma optar por jogar no Alentejo, considera que estamos perante “o torneio mais giro para amadores em Portugal, além de muito bem organizado”.

E José Coelho Lima, cuja Mundotêxtil se apresentou no Norte e no Douro em 2017, realça que “a história também já o distingue dos outros, quando se fala do Expresso BPI”.

Como vem sendo hábito nas últimas edições, a equipa vencedora terá como prémio uma volta no mítico Old Course de St. Andrews, na Escócia. Além disso, a organização da Media Golf e os patrocinadores da prova têm previstas várias surpresas para todos os participantes, marcando o carácter inovador da prova.

 

Rodrigo Cordoeiro