Finalíssima 2017
Veio de Espanha a nova empresa campeã

Não se podia pedir mais emoção para a Finalíssima 2017 do Expresso BPI Golf Cup, que decorreu este fim-de-semana no Vidago Palace Golf Course. As quatro equipas presentes –apuradas em Novembro através da Final Nacional Açores 2017, no Clube de Golfe da Ilha Terceira – terminaram separadas por um mero ponto. 

A Ignacio González Montes bateu no play-off a Orthoantas para se tornar a primeira empresa espanhola a sagrar-se campeã nacional naquele que é maior evento desportivo corporate do país – os autores da proeza, todos jogadores do Real Club de Golf La Toja, em Pontevedra, na Galiza, sãoJuan Gonzalez, Eloy Calatayud, Joaquin Calatayud e Jose Maria Fernandez. O Colégio dos Plátanos e a Freixenet ficaram a um ponto de ir a desempate… 

Esta foi a primeira Finalíssima jogada em match play, mais concretamente em partidas de seis buracos, com seis pontos em jogo, na habitual modalidade de texas scramble modificado. Era atribuído um ponto por cada buraco ganho, meio ponto pelo empate e zero pela perda. Os dois pares de cada equipa defrontaram todos os outros pares concorrentes num total de 24 encontros. 

Finalissima_b2_12_2017

Eloy Calatayud e Sérgio Martins cumprimentam-se no final do play-off, era já de noite / Fotografia de Filipe Guerra

Estavam 144 pontos em jogo (72 no sábado, outros 72 no domingo), o que torna ainda mais notável o equilíbrio registado. A Ignacio González Montes (conservas de pescado e marisco) e a Orthoantas (clínica dentária no Porto) terminaram empatadas no topo com 36,5 pontos, e o Colégio dos Plátanos e a Freixenet somaram 35,5. É caso para dizer que qualquer uma delas poderia ter ganho. 

Por terem sido os pares que mais pontos conquistaram para as suas equipas, Joaquin Calatayud e Jose Maria Fernandez, da formação espanhola, e Agostinho Pereira da Silva e Sérgio Martins, da Orthoantas, ficaram encarregados de disputarem o play-off entre eles. Foi no buraco 3, um Par 3. Começaram por empatar fazendo ambos o par, e à segunda a Orthoantas concedeu o buraco – e o título – após Sérgio Martins ter falhado um putt de cerca de dois metros para par. 

“Estamos muito orgulhosos e impressionados com a nossa vitória e também com a recepção que tivemos no Vidago Palace e com o companheirismo entre todas as equipas”, afirmou Juan González, gerente da empresa espanhola e capitão da equipa que fez história no Expresso BPI Golf Cup, sucedendo na lista das campeãs nacionais à marca italiana de café Segafredo Zanetti. “A opção pelo match play foi acertada, é muito mais emocionante e isso viu-se nos resultados”, acrescentou. 

“Estávamos na frente no fim do primeiro dia, no segundo sentimos um bocadinho a pressão e houve também qualidade no jogo dos nossos adversários, reconheceu por sua vez o capitão da Orthoantas, Agostinho Pereira da Silva, salientando a extrema “competitividade” do torneio e algum cansaço acumulado nos momentos decisivos. Além de Agostinho e Sérgio, a Orthoantas contou com Rui Veloso e Fernando Maganinho. 

Finalissima_a_12_2017

Agostinho Pereira da Silva (à esquerda, a preparar-se para jogar) e Sérgio Martins, da Orthoantas, durante o play-off, com o respectivo e empenhado caddie no meio / Fotografia de Filipe Guerra

Pelo Colégio dos Plátanos – que terminou no terceiro lugar no desempate com a Freixenet por ter vencido mais buracos (23) – alinharam Marco Rios, Eric Hill, Nuno Rafael Mota e Nuno Silva; pela Freixenet, que já em 2015 disputara a Finalíssima sagrando-se vice-campeã nacional numa edição ganha pela The Glenlivet, estiveram Duarte Sousa Coutinho, João Pedro Andrade, António Mendonça e Tomás Moreno. 

 

Na fotografia de capa: 

A equipa vencedora com o troféu da Vista Alegre Atlantis na escadaria do Hotel Vidago Palace; da esquerda para a direita, Eloy Calatayud, Juan Gonzalez, Joaquin Calatayud e José Maria Fernandez / Filipe Guerra