O grande teste do golfe
Participe com a equipa da sua empresa

A 21.ª edição do maior evento desportivo nacional para equipas de empresas começou nos Açores, mas as inscrições continuam a decorrer para as restantes regiões do país.

“O ano passado já foi muito bom, mas este ano queremos continuar a crescer", diz João Morais Leitão, da empresa fundadora e organizadora, a Media Golf.  "E o primeiro indicador que temos é extraordinário, porque batemos o recorde de empresas participantes no arranque nos Açores, onde tivemos 31 equipas, quando o anterior máximo era de 23.”

Com as inscrições a chegarem a bom ritmo, augura-se mais uma edição muito concorrida, com a participação de pequenas, médias e grandes empresas (portuguesas e estrangeiras – aliás, a actual detentora do icónico troféu da Vista Alegre é espanhola, da Galiza, a Ignacio González Montes), ligadas a praticamente todas as áreas da economia e jogadores das mais variadas profissões, idades e níveis de jogo, incluindo antigos campeões nacionais amadores e figuras públicas naquele que é um must do golfe nacional. Os motores já estão a aquecer, que é como quem diz, o treino intensifica-se nesta altura do ano.

“É o torneio número um incontestado em Portugal. É a competição em que todos os golfistas amadores procuram estar todos os anos e que estes preparam afincadamente”, afirma António Moura Portugal, sócio da DLA Piper ABBC sociedade de advogados.

“É o melhor torneio de golfe que existe em Portugal, não há outro igual, por mais que se tente copiar”, afiança João Vieira Pereira, director adjunto do Expresso, um participante habitual. “É muito bem organizado, os campos escolhidos são sempre de topo – e acho que isso faz a diferença relativamente a outros torneios”, explica o jornalista. 

João Pedro Oliveira e Costa, administrador do BPI, aponta vários factores para o sucesso da prova: “A forma exemplar como a Media Golf se envolve na organização e na relação com os jogadores e com as equipas. A modalidade, este texas scramble modificado, com inovações sucessivas no próprio regulamento. E, finalmente, o grupo de sponsors que se tem mantido firme e sistemático no apoio à prova”. Augusto Azevedo, COO da Cerealis, concorda em parte, referindo também três factores que explicam a longevidade do evento: “A excelente organização, os belíssimos campos onde se joga e a forma como consegue envolver outros parceiros que trazem mais valias importantes para o torneio”.

Já Miguel Franco de Sousa, presidente da Federação Portuguesa de Golfe, é peremptório: “Se a prova não tivesse qualidade, se não tivesse inovação, se não tivesse rigor na organização, com pessoas muito profissionais naquilo que fazem, não estava com certeza aqui há mais de 20 anos e com vontade de continuar”.

“É uma referência a nível nacional, toda a gente conhece – e é o torneio mais importante e aquele que todos querem ganhar. Faz uma grande promoção à modalidade levando-o a várias zonas do país”, diz Jorge Sousa, administrador da Visabeira Global, sublinhando o cariz verdadeiramente nacional da prova. 

Ciriaco Campus, Director Geral do mítico Belmond Reid´s Palace Hotel, da Madeira, refere que a prova “tem uma grande exposição a nível nacional, o que permite divulgar não só as empresas como o desporto do golfe em si, até para quem não é praticante”. 

Espírito de equipa

Sendo o único grande torneio em Portugal jogado por equipas de quatro jogadores – e num desporto em que as pessoas estão habituadas a que seja cada um por si, o team building é um factor aliciante. “Jogando-se por equipas e de empresas, dilui, digamos assim, o factor individual. Enfim, há um conjunto de características que fazem do Expresso BPI uma prova que todos gostamos de jogar”, sublinha João de Deus Pinheiro, antigo Comissário Europeu e que costuma participar na prova pela equipa do Grupo André Jordan. “Num jogo primordialmente individual, este é torneio que mais espírito de equipa cria”, concorda Luis Paupério, administrador da I2S, que acrescenta: "É também o torneio mais mediático, mas principalmente o mais bem organizado”.

Para Jorge Abreu, administrador da Viagens Abreu, “a organização e os parceiros associados são muito fortes, dão muita credibilidade ao evento, que tem sabido inovar permanentemente”. 

“Costumo dizer que há uma coisa que resiste ao tempo: a qualidade. A qualidade da organização, dos patrocinadores, dos jogadores, no ambiente extraordinário que se vive naqueles dias de Expresso BPI Golf Cup”, afirma o médico oftalmologista João Luis Neves Martins, que participa com a equipa da sua clínica.

“É ‘o’ torneio nacional de empresas”, conclui José Pinheiro, administrador da Mundotêxtil, a maior produtora europeia de toalhas de felpo.